sábado, 19 de julho de 2014

Conservar fruta


Lembram-se disto Pickles ou escabeche? Correu melhor do que eu pensava e comi o último frasco no decorrer do último mês.
Vou repetir mas com apenas 1 ou no máximo 2 legumes de cada vez. Se fizer bróculos ou couve-flor, faço só bróculos ou só couve-flor.
São os que dão mais trabalho e sujam mais a cozinha.

Como os legumes já estão testados e aprovados, está na hora de testar as frutas.


Vou começar com o ananás (ou é abacaxi) que está em promoção e é algo que às vezes apetece-me comer no inverno.

Como é teste, e para não desperdiçar, vou fazer 7 frascos de 125ml cada.

Vou comer um por mês até 6 meses para ver até quando ficam bons. O último como passado 1 ano para ver se aguenta tanto.

Basicamente vou fazer o que se encontra neste vídeo mas na calda, vou substituir o açucar por tâmaras picadas.



Cada tâmara tem o equivalente a 25g de açucar (se não me engano), vou usar o equivalente a uma tâmara por frasco, logo, 7 tâmaras.

O líquido será o sumo do ananás e alguma água. Estou a pensar que cada frasco cheio só deve suportar 1/3 de água logo 125ml para 6 frascos e o que falta para o 7ª frasco será preenchido pelo sumo.

Revisão do vídeo em termos largos:

-Descascar ananás
-Pôr cascas e "olhos" do ananás numa panela com a quantidade desejada de água e açucar (no meu caso tâmaras) e deixar ferver até gastar um pouco do líquído
-Partir ananás aos bocadinhos
- Escaldar os frascos e tampas. Escorrê-los bem
-Deitar ananás nos frascos
-Deitar calda nos frascos, sobre o ananás
-Limpar a boca dos frascos
-Tapar os frascos
-Pôr frascos dentro duma panela e fazer como a Joana Roque da Economia cá de casa faz


Parece que este ano quando tiver vontade de comer ananás, em vez de ir ao supermercado comprar 1 lata (lixo) de ananás, cheia de açucar (mau para mim) e com mais ananás do que devo comer (duplamente mau para mim), vou ao armário, tiro um frasquinho e como a dose certa.

Ligeiramente aquecido com canela. Hum...

sábado, 4 de janeiro de 2014

Cozinhar para 1 poupando

.A re
Imagem de http://www.thefreshcottage.com/2012/02/02/the-best-vegetarian-chili/

Há alturas em que estou melhor e alturas em que estou pior no que diz respeito a dinheiro. Neste momento estou mais ou menos e quero estar melhor.

Decisões:
  • Usar toda a comida que está nos armários/frigorífico antes de fazer novas compras;
  • Comprar apenas legumes, frutas e verduras até ao limite máximo de 10€ para 2 semanas (não sei até que ponto isto é realista mas 3kgs de pêros por 1€ cada quilo, mais verduras... acho que dá para um);
Talvez não seja suficiente para baixar muito as contas porque já baixaram para metade. Se continuar assim ainda têm de me pagar pagar para ir às compras (não era mau). 


Continuando: 

  • Usar toda a comida que está nos armários/frigorífico antes de fazer novas compras é o desafio maior.
  • Ser criativa com o que tenho de forma a manter-me bem alimentada.
  • Inovar pratos, formas de cozinhar para que o mesmo prato/alimento tenha outro sabor.
  • Resistir à tentação de comprar isto porque sabe bem com aquilo, está em promoção esta semana e outras desculpas que às vezes uso para gastar dinheiro com a desculpa que  "É comida. Posso".

É um desafio interessante...
  • ir às compras de forma habitual (isto é, não comprar mais do que é suposto por saber que não vou ter data de voltar a ir às compras)
  • Só fazer nova lista de supermercado quando sobrar apenas o equivalente à preparação de duas refeições e houver 2 refeições no congelador 
  • Ir ao supermercado no dia em que acabo de comer a comida congelada (se não der nesse dia ir antes)
Tenho que aprender a focar-me em ingredientes e nutrientes em vez de focar-me em receitas.

Área de conforto, não sei se estou a despedir-me de ti ou a aumentar-te mas estou a mexer em ti de certeza e isso anda a mexer comigo.

domingo, 25 de agosto de 2013

Pickles ou escabeche

Imagem de sabores.sapo.pt

Eu gosto de pickles e arrisquei-me a fazer isto. Exagerei um pouco e fiz logo (pela primeira vez), 5 variedades duma vez. Escusado será dizer que não correu muito bem.

Pelo menos 4 frascos vão direitinhos para o frígorífico e têm de ser consumidos numa semana. Os outros vou ver como ficam depois de fazer isto.

Montes de erros. A maior foi fazer tão grande quantidade e variedade. Depois foi usar frascos pequenos (nunca mais acabava). Para o fim, fui buscar 4 frascos de 600ml cada.

Não estava preparada para os frascos a escaldar. Foi bonito.

Não tinha os utensílios certos para pôr a comida nos frascos (um funil largo), nem o melhor lugar para pô-la. Estava em pratos o que fazia uma porcaria sempre que ia lá tirar com a ... aquela colher dentada que se usa para a massa. Não queria mexer com as mãos... Deveria estar em jarros ou taças não muito largas mas altas.

A cozinha ficou uma bagunça com pedacinhos de bróculos, cenoura, couve-flor e até o pepino conseguiu ir para o chão. Só a courgette se safou de cair.

Fiquei com um monte de louça para lavar e a tampa da panela onde o vinagre ferveu, ficou castanha. Fartei-me de esfregá-la para não enferrujar (e é inoxidável) mas acho que vai ter de lavar outra esfrega.

Quantidades


3 pepinos
1 couve-flor (menos um quarto que usei no caril de legumes)
1 ramo de bróculos  (menos 100g que usei no caril de legumes
5 cenouras e
1 courgette grande (menos 1/4 que usei no caril de legumes)

Não é muita quantidade mas como tudo é cortado em pedacinhos pequeninos, ocupa um volume enorme. Tenho 10 frascos cheios! 4 de 600ml e 6 de 250ml cada. Isto é, o equivalente a 3,9 litros!

O que faz mais volume é a couve-flor (parece que triplica) seguida dos bróculos (quase duplicam).
Se o pepino for cortado ás rodelas, depois de salgado, não aumenta muito o volume. A cenoura e a courgette também não.


Conselho para mim própria: 


Da próxima vez, só um tipo de vegetal. Se for mais do que um, fazer num frasco enorme onde possa pôr tudo dentro num instante. Também tenho que acertar melhor as quantidades.

Já ter o material cuja falta senti desta vez.

Fazer no meu dia de folga e não a meio da semana de trabalho.

Usar metade do sal tanto para a salmoura, quanto para a "calda" de vinagre.

Quando fizer algo pela primeira vez, fazer uma quantidade bem pequenina.

Usar frascos que possa confirmar se criaram ou não vácuo.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Desafio

.
Gosto de desafios. Os melhores são os que ponho a mim própria e cujo ganho é o meu próprio desenvolvimento pessoal.

Um do qual gosto particularmente é preparar-me com antecedência.

Vem aí o Verão (no hemisfério Norte, claro) e a tendência é descontrair. Essa descontração pode sair cara.
Um lanche no café ao fim da tarde no dia de folga, um passeio com almoço incluído, uma ida á praia sem levar comida e comprar uma sandes no café, um café com amigas que se prolonga porque está de dia e não reparamos nas horas mas o estômago avisa e acaba por se tornar em jantar...

O convívio é importante mas já reparei que pode ser um sugador de dinheiro se não for controlado.

Então o desafio é

Cozinhar um prato novo por semana com o que tenho em casa. Algo que nunca tenha feito. Pode ser uma sopa, uma salada, uma sandes, uma bebida, um molho, etc.
Provavelmente vou ter de comprar uma coisa de vez em quando mas só se:

1-fôr de preço acessível ou caso seja de preço alto tenha uma grande longevidade para poder ser usada mais vezes
2- tenha utilidade em mais do que um prato/sobremesa/sandes.

O importante é abrir a mente á criatividade e o cérebro ao hábito de aprender e fazer coisas diferentes das habituais.

Assim, quando for Verão e ligarem para ir tomar café, convido para virem a minha casa, dentro de casa ou na varanda e vou ter capacidade de fazer algo saboroso e refrescante com o que tiver em casa sem entrar em despesas no café ou supermercado.

Quando for inverno, estiver muito frio ou chuva para sair e apetecer "algo bom" vou poder fazer algo por mim. :D

Vendo bem o desafio é continuar sendo fiel à contenção de despesas sem abrir mão das coisas boas da vida.

Imagem encontrada no Google images

domingo, 25 de março de 2012

Estufado de lentilhas

.
Hoje fui ao supermercado e fiz as compras tendo em conta as dicas do blog papacapim: uma dose de cereais integrais, 1 dose de leguminosas, 1 dose de legumes crus, 1 dose de legumes cozidos e 1 dose de legumes crus por dia.

Tentei aplicá-las hoje ao jantar. Como não almocei estava cheia de fome por isso quis fazer algo rápido. Demorei uma hora. :|

Não sabia o que fazer!
Comecei por decidir-me por arroz com cenoura e comecei a cozinhar. Só quando este ia a meio é que decidi o acompanhamento.

Quis uma leguminosa.
Como gastei a última dose de feijão branco na sopa de cenoura há 3 dias atrás, estou um pouco farta de feijão vermelho e o grão de bico só foi posto de molho quando cheguei a casa, cheguei à conclusão que só me sobrava a lentilha.

Eu até gosto de lentilhas só que evito-as porque ainda não apanhei o jeito de cozinhá-las bem. Fica meio...menos bom. Mas hoje safei-me, ou por outra, os coentros e sementes de cominhos safaram-me.

Estufado de lentilhas (serve 1 quatro vezes em refeição completa ou 8 vezes em meia-dose)

1 copo de lentilhas sem casca
2 copos (iguais) de àgua
e
2 tomates frescos ou congelados
1 punhado de milho congelado
1 punhado de ervilhas congeladas
sal
azeite
5 ou 6 folhas de coentros frescos ou congelados

Numa panela pôr as lentilhas a cozer com a água. Pus em água já a ferver porque as lentilhas sem casca cozem em 10 ou 15 minutos.
Tirei a espuma que se formou e uma vez cozidas apaguei o lume e deixei-as ficar na panela.
Como não tinham casca achei indiferente serem postas em água fria ou quente (mas é importante que a água esteja fria com lentilhas com casca ou outras leguminosas que demoram mais tempo a cozer).

Entretanto, tirei a pele a 2 tomates médios que tinha congelado (bastou deitar um pouco de água a ferver em cima de cada um) e pu-los noutra panela com uma 1 ou duas colheres de sopa de água, metade do sal e azeite.

Tapei a panela e quando vi que já estavam descongelados, esmaguei-os grosseiramente com a colher e deitei os punhados de milho e ervilhas.
Tapei e deixei ao lume até a ervilha e o milho estarem cozidos. Nessa altura deitei as lentilhas misturei e deitei o resto do sal.

E foi aí que fiquei triste. Estava outra vez com aquele sabor... menos bom.

Lembrei-me dos coentros, deitei-os junto com nica de sementes de cominhos, misturei tudo e depois de ferver, desligei o lume, tapei a panela e deixei assim por uns 5 minutos para os sabores s misturarem.

Saiu melhor do que a encomenda!

Comi com o arroz de cenoura e caril, salada de alface e pepino.

Notas:

As outras coisas que salvaram este prato foram:

-os tomates e os coentros usados foram congelados frescos e assim conservaram o sabor desses alimentos frescos.

Se tivesse usado tomate em lata, só poderia ter usado metade, teria ficado ácido e com o sabor característico do tomate em lata.

-Deitei os temperos no fim e deixei que fosse o calor da comida a fazer o sabor se soltar (já com o lume desligado) impediu de cozer demais e de passar do ponto em que o sabor do tempero se perde por ser tão cozido. Não funciona para todos os pratos mas funcionou muito bem com este.

E aí, quem sabe cozinhar bem lentilhas que me possa ajudar?

sexta-feira, 23 de março de 2012

Arroz de cenoura e açafrão

.
Eu sou um bocado como os miúdos, gosto de cores. Já era grande quando descobri o arroz de cenoura feito por uma colega na residência de estudantes.

Durante uns tempos enchia tudo com cenoura para colorir. Depois passou mas noto que continuo a gostar de cor na comida.

Normalmente faço com o arroz uma refeição completa mas às vezes não tenho o que preciso para isso e quero comer arroz.
Foi o caso desta vez e foi de arroz de cenoura que me lembrei.

Como não tinha arroz integral comprido, usei o integral de grão curto aconselhado para arroz malandro e comecei a cozinhá-lo para ficar assim.
Entretanto fui para o computador e esqueci-me do arroz ao lume. ;) Acontece de vez em quando. A sorte foi ter o lume no mínimo.



Arroz integral de grão curto com cenoura (serve 1 quatro vezes ou 8 vezes em meia-dose)

1 cenoura ralada grosseiramente (a minha era média)
1 copo de arroz
3 copos de água
1 pitada (leia-se muito pouco) de açafrão da Índia (o truque da côr)
Sal
Azeite

Sal azeite e metade da pitada de açafrão no fundo da panela para dar cor. Liga-se o lume e deita-se a cenoura por cima. Mistura-se mexendo a panela, sem ser com a colher. Isto faz com o tempero se "espalhe pela comida" e não pela colher  que é importante quando se usa quantidades muito pequenas como o caso do acafrão.

Depois deita-se o arroz em cima e faz-se o mesmo: mistura-se mexendo a panela, sem usar a colher. Tapa-se a panela e deixa-se no lume mínimo.

Entretanto pomos os 3 copos de água a ferver. Uma vez fervidos, pomos o lume do arroz no máximo, deitamos um copo de água quente e misturamos tudo com a colher.

Quando estiver a ferver, tapamos apanela, baixamos o lume e contamos 5 minutos.

Voltamos a por o lume no máximo, deitamos mais um copo da água, misturamos com a colher, tapamos, baixamos o lume para o mínimo e desta vez esperamos 10 minutos.

Foi aqui que o arroz passou de "malandro" a arroz solto.

 Devo tê-lo deixado por 20 minutos em vez de 10. Apesar disso deitei o terceiro e último copo com água quente, o resto da pitada de açafrão das Índias (desta vez com o objectivo de dar um pouco de sabor) misturei e voltei a deixar tapado no mínimo até acabar de cozer.

Já que era para ficar solto mesmo, usei um truque da minha avó: tapei com um pano da cozinha dobrado em quatro e preso pela tampa da panela para absorver o escesso de água.

E ficou bom.

Nota:

Podemos nos poupar o trabalho de deitar água de x em x tempo e deitar logo os 3 copos de água quente no arroz. Só não fica malandro.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Natas ou caju e água?


.
Descobri um blog novo! Quis experimentar alguns pratos novos e fazer reservas de feijão e grão-de-bico.

Estrela do dia

O molho de caju que parece natas

A asneira do dia (que começou ontem quando medi o caju para pô-lo de molho)

Pesei os cajus na balança e medi a água pela chávena. Devia ter 2x mais água do que queria e o molho ficou mais líquido do que devia.

Nota a reter para a próxima

A medida de caju deve ser a mesma para fazer a medida de água. Se pesar os cajus, peso a água. Se medir a quantidade de cajus pela chávena, meço a água pela chávena também.

A receita do molho de caju que parece natas e o novo blog (aparece na segunda metade do post).

Comi com 

Espinafres (congeladosem vez de frescos) temperados com um pouco de noz-noscada e depois "afogados no molho" e misturados com a massa. 

Uma delííííícia e muito mais leve do que natas (mesmo as de soja).

É para repetir e repetir e repetir...



Feliz mês novo. ;)